Uma introdução ao futuro

18 January 2018

Sorry, this entry is only available in European Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Neste breve texto debruçamo-nos sobre o conceito de futuro, propondo que nas sociedades globalizadas e híper complexas da atualidade se torna imprescindível, não só problematizar o futuro e as formas como este surge apresentado da economia à cultura e à política, mas também desenvolver mecanismos de debate e de discussão sobre a proteção e o cuidado pelo futuro efetivo das sociedades do presente.

Texto de Emília Araújo (investigadora do CECS)

Imagem de Heather Zabriskie (uso livre)

“Futuro” é uma daquelas palavras que circula intensamente nos discursos diários, de modos muito diversos e com finalidades várias. Dir-se-ia: é uma as palavras mais óbvias que encontramos: serve para designar o “amanhã”, o que virá ou há-de-vir, o que se antecipa na base do presente e do passado; o que se antecipa na base da própria conjetura e imaginário do futuro, como tempo à frente do presente, que dista do presente e transcende o passado.

As várias ciências sociais e humanas pronunciaram-se sobre o futuro, a forma de lê-lo, estudá-lo e construí-lo. Barbara Adam continua a ser a académica que, de modo transdisciplinar, mais intensamente tem trabalho sobre “o futuro”. A tecnologia e a robótica, as alterações climáticas são alguns dos focos da sua análise. Ela parte de uma ideia muito clara: é preciso aprofundar o modo como o presente se pronuncia e imagina o futuro. Objetivo? Entender não os meandros desse futuro que há-de-vir, mas entender as dinâmicas e os estados da sociedade do presente, quais são os suas metas e quais são os pilares éticos e axiológicos em que se posiciona.  Ademais, permite identificar quais são os principais protagonistas desse futuro. A esta autora se deve uma extensa reflexão sobre problemas que enfrenta o planeta, desde as alterações climáticas às catástrofes humanas e como estas devem envolver diretamente o compromisso do presente com o futuro, através do cuidado.

Sabemos, desde logo, que assistimos à emergência, cada vez mais intensificada, de uma economia quase puramente centrada na antecipação, na projeção e na transação do futuro (como tempo à frente, aberto, incerto e vulnerável). E que, em redor desta economia centrada sobre o futuro, mobilizada por uma pressão exponencial para a inovação, tal como menciona a cientista Ulrike Felt, florescem ofertas diversificadas de antecipação, planificação e execução de futuros. São diversas as fontes desses futuros, desde a ciência, à arte, passando pela política e pelos média.

Digamos, pois, que pensar, desenhar e articular um determinado conceito de futuro (como irá ser o tempo que há-de-vir), exige alguns cuidados, no que concerne, pelo menos, três pontos: i) o modo como esse desenho pode projetar apenas um certo (e selecionado) presente e uma certa (e selecionada) voz; ii) o modo como esse desenho de futuro (veiculado por via de múltiplos discursos – texto, imagem, etc.), sendo disseminado e legitimado por determinados atores, especialistas e fazedores de opinião pode constituir-se como dominante, servindo como caminhos únicos de orientação da ação – da coletiva à individual; e iii) o modo como esse futuro desenhado e “planificado” pode criar elementos robustos de desresponsabilização ou, pelo menos, desvalorização, de elementos ontologicamente estruturantes na definição do lugar do humano e do social.

Neste sentido, torna-se importante distinguir “o” futuro da imaginação do futuro, pois a maior parte dos conteúdos mediáticos e publicitários que circulam e se impõem através das visões dos profetas do futuro e dos “gurus” do futuro são, principalmente, imaginações do futuro, muitas vezes veiculadas sob a forma de promessa. Não devem ser entendidas ou debatidas como o futuro certo, justamente sob o risco de estarmos todos a conformarmos unicamente a esse ou a esses futuros imaginados. Aliás, sob o risco de estarmos a ser agentes da afirmação e da normalização de (novas) desigualdades e exclusões, colaborando ativamente na nova economia emergente centrada, como dissemos antes, na comercialização do futuro.

Assim, importa salientar o interesse em desenvolvermos, enquanto educadores e tomadores de decisão, por um lado, a necessidade de sabermos identificar e desconstruir tais desenhos, imagens e “saliências” que se criam e disseminam quotidianamente a propósito do futuro. Por outro, a pertinência em tornar o futuro, não apenas objeto de estudo, nas suas múltiplas formas e dimensões, mas, nomeadamente, objeto de ação pedagógica.

E o que significa esta orientação pedagógica?

Sobretudo e principalmente, a possibilidade de informar, discutir o futuro enquanto conceito e enquanto tempo que (de certeza) há- de vir, mas que pode ser moldado a partir da ação no presente. Um dos cuidados centrais a ter nesta dimensão pedagógica do futuro passará, então, pela necessidade de desconstruir tais imaginações do futuro, demonstrando as contradições, as dissonâncias e as impossibilidades e/ou incompletudes que essas imagens, tendencialmente utópicas, comportam, do ponto de vista ético, humano, social e natural.  Para isso, contribuiria a convergência de debate entre atores com poder de decisão em áreas diversas, desde a política, à economia, à ciência e ao ensino sobre matérias diversas que conduzem às escolhas sobre futuros. Espaços de educação e ensino são privilegiados nessa discussão

Neste sentido, a pedagogia do futuro estaria centrada também na promoção da participação pública na definição de futuros condizentes com aspirações e valores, de forma sustentável, o que implicaria ir mais longe quanto ao principio da responsabilidade a ser zelado por todos os atores envolvidos na produção e na antecipação de futuros e pensar na própria regulação e constitucionalização do futuro, enquanto metaconceito, a ser incorporado enquanto tal (como “o” futuro) no design, planificação e avaliação da ação no presente.

Em última análise, esta orientação prática, de desconstrução dos sentidos da palavra “futuro” e de denominação efetiva do “futuro” (em si, tempo que há-de-vir) constituiria um passo decisivo para a consolidação do compromisso político e coletivo com esse mesmo tempo, numa perspetiva de longo prazo. São, por isso inumeráveis os domínios possíveis de intervenção. Para ilustração, salientemos a necessidade de considerar seriamente o “futuro” nas esferas da saúde-cuidados; as esferas da saúde-investigação científica e as esferas saúde-mercado que se entrelaçam de forma incoerente nas sociedades de hoje, como se pode verificar na prática dos cuidados médicos, tal como nas práticas relativas à alimentação.

Por exemplo, por um lado, a indústria da cultura-futuro enfatiza as potencialidades das tecnologias aplicadas ao tratamento de doenças presentemente fatais e para as quais cada vez mais investigação declara causas culturais, sociais e ambientais (por exemplo, a poluição, o uso de químicos, quase sempre justificados pela necessidade de aceleração da produção e venda). Mas, por outro, a própria ciência hesita na afirmação das possibilidades efetivas de superação pela ciência cuja caraterística essencial é ainda a incerteza e se tal se regista, é de modo lento e com desigual eco nos diversos grupos sociais e populações.

A outro nível, o dia a dia da vida social e natural manifesta os sintomas de várias ausências de futuro na ação da política contemporânea que age predominantemente sobre esse futuro refletido nas exigências do imediato e muito menos sobre a antecipação e a prevenção, de forma sustentável. A análise ao modo como a política se prepara para lidar com catástrofes naturais e humanas – algumas mais previsíveis do que outras – são um bom exemplo desse vazio de futuro de que sofre a política contemporânea, desde os níveis micro, aos níveis macrossociais, o que reforça ainda mais o interesse em interrogar e desconstruir os sentidos de futuro e de tempo longo e a forma como estes configuram princípios e modos de atuação concretos no presente.

Uma área extremamente importante interseta os média e a população infantil, sendo necessário desconstruir para este público, não só as visões de futuro que lhe são apresentadas como certas (por exemplo, ao dar como certo o casamento entre robôs e humanos, ou certas as profissões do futuro), como e essencialmente, a forma como serão e podem ser efetivamente agentes de futuros alternativos.

Numa palavra, é preciso incluir o tempo como eixo de politica e de debate, tal como o fora e continua a ser o espaço e o território.