O caso Tylenol e o valor da Comunicação de Crise: é tempo de colocar as pessoas em primeiro lugar

01 April 2020

Sorry, this entry is only available in European Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Freepik

As ondas da crise de saúde pública provocada pelo novo coronavírus reforçam a importância de refletir sobre o valor da Comunicação de Crise em empresas e instituições. Teresa Ruão, investigadora do CECS, afirma que as empresas e instituições “nem sempre conseguiram gerir a comunicação de modo estratégico” numa altura em que o mundo enfrenta a pandemia da Covid-19.

No artigo O caso Tylenol e o valor da Comunicação de Crise: é tempo de colocar as pessoas em primeiro lugar!, Teresa Ruão explora algumas medidas a tomar em caso de crise, colocando a criação do Gabinete de Crise e do Manual de Crise como ação imperativa. Se “é tempo de colocar as pessoas em primeiro lugar”, “os primeiros a ouvir a voz da organização devem ser os colaboradores”. “Estas pessoas são a organização”, afirma.

Para a investigadora, “a recuperação deve ser preparada desde o primeiro dia da crise”. Por isso, ao longo do artigo é recordada a grave crise que a empresa Johnson & Johnson enfrentou nos anos 80: “Ninguém imaginava que se tornaria na grande referência para a mudança de paradigma na gestão da comunicação de crise das organizações contemporâneas”.

Para aceder ao artigo, clique aqui.