“Partilhar é cuidar?”: aspetos e consequências da Economia da Partilha

21 October 2019

Sorry, this entry is only available in European Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Rodrigo Saturnino, pós-doutorando e investigador do CECS, apresenta uma discussão em torno da Economia da Partilha, área de atividade que ganhou notoriedade pública a partir do sucesso de empresas como a Airbnb e a Uber.

Ilustração do autor

No artigo Partilhar é cuidar? o investigador explica as características deste tipo de economia e fala sobre as suas vantagens e desvantagens. Não se tratando de uma proposta totalmente nova ganhou, contudo, uma proeminência assinalável com a associação a potencialidades tecnológicas recentes. “Com as plataformas digitais, empresas e consumidores conseguem oferecer serviços e produtos (pagos ou gratuitos) em níveis globais a partir de recursos que garantam, minimamente, um controlo entre os pares a fim de criar a sensação de segurança durante os processos”, diz Saturnino.

O texto ainda reflete sobre os atuais debates sociais e políticos em torno das consequências trazidas pela Economia da Partilha. “Se por um lado ela pretende ser alternativa a um sistema económico desigual, por outro ela acaba por convergir a este mesmo modelo quando sua dinâmica reflete condições sociais externas em que os desfavorecidos permaneceriam em condições de precariedade laboral sem direitos trabalhistas assegurados”.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.