Média online privilegiaram dimensão política na cobertura dos incêndios de outubro de 2017

09 Outubro 2018

A dimensão política dos incêndios que deflagraram no dia 15 de outubro de 2017 teve particular destaque na cobertura feita por 15 meios de informação online. Esta é uma das conclusões preliminares de um estudo desenvolvido no âmbito do think tank do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) da Universidade do Minho, o Communitas.

Um ano depois da tragédia que abalou Portugal no dia 15 de outubro de 2017, o think tank Communitas apresenta os resultados preliminares de um estudo sobre a cobertura mediática destes incêndios.

De acordo com os dados, os incêndios foram o assunto de 15,03% das peças publicadas online por 15 meios de comunicação informativos generalistas entre os dias 15 e 31 de outubro de 2017 e, tendo em conta os títulos dos artigos sobre a temática, a dimensão política desta tragédia obteve particular atenção.

Nestes resultados preliminares há ainda um dado particularmente curioso: a interação gerada em torno de uma peça intitulada “Milhares nas ruas indignados com onda de incêndios. Morreram quatro pessoas” do Diário de Notícias. De acordo com os investigadores, o interesse nesta notícia poderá estar relacionado com a empatia gerada nos portugueses pela rápida reação dos espanhóis em comparação com o caso nacional e/ou com o potencial da peça para atrair leitores estrangeiros, em particular, galegos.

No artigo Portugal em chamas: a presença dos incêndios nos média online, os investigadores do CECS responsáveis pelo estudo apresentam uma leitura mais detalhada sobre estes dados que têm em conta as peças publicadas pelo Correio da Manhã, Destak, Diário de Notícias, Expresso, Jornal de Notícias, Jornal i, Observador, Público, Rádio Renascença, RTP, Sábado, SIC Notícias, TSF, TVI 24 e Visão.

Sob o tema genérico “Incêndios: o que mudou num ano?” e incorporando os dados deste estudo, o think tank Communitas abre espaço a um debate sobre o que pode ter ou não mudado desde esse momento nas instituições e no seu grau de preparação, na forma como se potenciaram espaços de expressão da cidadania e na cobertura jornalística.

A discussão, que terá lugar na próxima segunda-feira, dia 15 de outubro, a partir das 18h00  no Auditório de Engenharia II da Universidade do Minho (campus de Gualtar, em frente ao ICS), contará com a presença do Diretor da Licenciatura em Proteção Civil e Gestão do Território da Universidade do Minho, António Bento Gonçalves, da Editora-executiva Adjunta do Jornal de Notícias, Paula Ferreira, e da investigadora do CECS Ana Melo, sendo a sessão moderada por Madalena Oliveira, também investigadora do CECS.

A entrada é gratuita e está aberta a toda a comunidade.

O debate terá também expressão online na página do think tank e acolherá opiniões e comentários entre os dias 12 e 26 de outubro.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.